sábado, 7 de novembro de 2009

Aristotélicos ou platônicos


Observa Coleridge que todos os homens nascem aristotélicos ou platônicos. Os últimos intuem que as idéias são realidade; os primeiros, que são generalizações, para estes, a linguagem não passa de um sistema de signos arbitrários; para aqueles, é o mapa do universo. O platônico sabe que o universo é de algum modo um cosmos, uma ordem; essa ordem, para o aristotélico, pode ser um erro ou uma ficção de nosso conhecimento parcial. Através das latitudes e das épocas, os dois antagonistas imortais trocam de dialeto e de nome: um é Parmênides, Platão, Espinosa, Kant, Francis Bradley; o outro Heráclito, Aristóteles, Locke, Hume, William James (p. 179).

Do livro: BORGES, Jorge Luis Borges (1952). Outras inquisições. Tradução David Arrigucci Jr. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário