sexta-feira, 21 de maio de 2010

Assim Falou Albert Einstein, Alice Calaprice


“O eterno mistério do mundo é sua compreensibilidade... O fato de ser compreensível é um milagre”.

“O único modo de escapar da corrupção do elogio é continuar trabalhando. Não há nada mais a fazer”(Citado por Lincoln Barnett em “On his Centennial, The Spirit of Einstein Abides in Princeton”, publicado no Smithsonian em Fevereiro de 1979, pg.74).

“O medo e a estupidez sempre foram a base da maioria das ações humanas” (Carta para E. Mulder, Abril de 1954. Arquivo Einstein 60 - 605).

“Senão há um preço a ser pago, também não há valor”(Aforismo, 20 de Junho de 1927. Arquivo Einstein 36 – 582).

“Somente uma vida vivida para os outros vale a pena”(Respondendo a uma pergunta dos editores de Youth, um jornal da Young Israel de William Sburg, N.Y., Resposta também citada no New York Times de 20 de Junho de 1932. Arquivo Einstein).

“Desconfio daquela palavrinha “nós” e eis por quê? Nenhum homem pode dizer de outro, “ele é eu”: por trás de todo acordo há algo errado. Toda a harmonia aparente esconde um abismo à espreita”.

“That little word ”we” I mistrust and here‘s why: no man of anoher can say, “He is I”. Behind all agreement lies something amiss. All seeming accord cloaks a lurking a abiss” (Verso citado por Dukas e Hoffmann em Albert Einstein, The Man Inside, pg. 100).

Trechos do livro: CALAPRICE, Alice. Assim Falou Albert Einstein. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1998.

Nenhum comentário:

Postar um comentário