terça-feira, 30 de novembro de 2010

O Sonho de Borges e a memória impessoal no site: www.vidraguas.com.br


Quero agradecer as colegas Berenice Sica Lamas e Carmen Silvia Presotto pela generosa atitude de divulgação dos excertos do artigo O Sonho de Borges e a memória impessoal no site: www.vidraguas.com.br

O artigo pode ser lido na íntegra no seguinte endereço eletrônico:


http://www.polemica.uerj.br/ojs/index.php/polemica/issue/view/5/showToc


Fica o convite para conferir o livro Postigos.

Entrevista a Jorge Bucay en Nerja



Realizada en el CCVN aprovechando una conferencia del escritor argentino con el título de "¿Cuestión de suerte?". Jorge Bucay contestó amablemente a nuestras preguntas sobre el arte de escribir.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

The Soul of Brutes: A Sixteenth Century Debate, Carlo Ginzburg


From ancient Greece to early modern Europe the debate on the souls of the brutes had cognitive, ethical and political implications; we are still confronted with most of them. Join UCLA Professor Carlo Ginzburg as he tries to put the debate in a historical perspective. A Foerster Lecture on the Immortality of the Soul presented by the UC Berkeley Graduate Council. Series: "UC Berkeley Graduate Council Lectures".

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

A Person in the World of People: Self and Other, Part II



about several important factors influencing how we form impressions of others, including our ability to form rapid impressions about people. This discussion focuses heavily upon stereotypes, including a discussion of their utility, reliability, and the negative effects that even implicit stereotypes can incur.

The second half of the lecture introduces students to two prominent mysteries in the field of psychology. First, students will learn what is known and unknown about sleep, including why we sleep, the different types of sleep, disorders, and of course, dreams, what they are about and why we have them. Second, this half reviews how laughter remains a mysterious and interesting psychological phenomenon. Students will hear theories that attempt to explain what causes us to laugh and why, with a particular emphasis on current evolutionary theory.

Complete course materials are available at the Open Yale Courses website: http://open.yale.edu/courses

This course was recorded in Spring 2007.

A Person in the World of People: Self and Other, Part I



This is the first of two lectures on social psychology, the study of how we think about ourselves, other people, and social groups. Students will hear about the famous "six degrees of separation" phenomenon and how it illuminates important individual differences in social connectedness. This lecture also reviews a number of important biases that greatly influence how we think of ourselves as well as other people.

Complete course materials are available at the Open Yale Courses website: http://open.yale.edu/courses

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Admirável Mundo Novo, Aldous Huxley



Discurso de Aldous Huxley em 1962, pouco antes de sua morte, sobre a ditadura científica do futuro retratada em seu livro "Admirável Mundo Novo", escrito em 1932.
Vídeo extraído do documentário EndGame.

Entrelinhas, Utopias e Distopias



O Entrelinhas é um programa da TV Cultura. Mais informações em http://www.tvcultura.com.br/entrelinhas

Entrelinhas, Tradutores



O Entrelinhas conversou com escritores e tradutores para discutir os desafios da arte recriar em nosso idioma a prosa e a poesia escritas em outras línguas. Além das entrevistas, a matéria mostra uma videoconferência do escritor peruano Mario Vargas Llosa que aconteceu durante o 1º Encontro Internacional de Língua e Tradução, em São Paulo.

O Entrelinhas é um programa da Tv Cultura. Mais informações em: http://www2.tvcultura.com.br/entrelinhas

Sleep Disorders Overview



Common sleep disorders: signs and treatments.
Watch this and more health videos at: http://www.answerstv.com/health

What do Sleep Disorders do?



The physiology of sleep disorders.
Watch this and more health videos at: http://www.answerstv.com/health

The Biology of Depression



The physiological causes of depression.

What is Depression?



Symptoms, causes, and treatment of depression.
Watch this and more health videos at: http://www.answerstv.com/health

Anxiety Overview



The 5 anxiety disorders and why they develop.
Watch this and more health videos at: http://www.answerstv.com/health

Bipolar Overview



Causes, signs, and treatment of bipolar disorder.
Watch this and more health videos at: http://www.answerstv.com/health

What does schizophrenia do?

Fronteiras do Pensamento, Contardo Calligaris



Contardo Calligaris - Fronteiras do Pensamento edição 2008.

Entrevista Contardo Caligaris, 2° parte

Entrevista Contardo Caligaris, 1° parte


Conversa sobre relacionamentos, pais e filhos, adolescentes com o psicanalista Contardo Caligaris.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Prophet, Gibran Khalil Gibran


1. Gibran on Friendship...
And a youth said, "Speak to us of Friendship."
Your friend is your needs answered.
He is your field which you sow with love and reap with thanksgiving.
And he is your board and your fireside.
For you come to him with your hunger, and you seek him for peace.
When your friend speaks his mind you fear not the "nay" in your own mind, nor do you withhold the "ay."
And when he is silent your heart ceases not to listen to his heart;
For without words, in friendship, all thoughts, all desires, all expectations are born and shared, with joy that is unacclaimed.
When you part from your friend, you grieve not;
For that which you love most in him may be clearer in his absence, as the mountain to the climber is clearer from the plain.
And let there be no purpose in friendship save the deepening of the spirit.
For love that seeks aught but the disclosure of its own mystery is not love but a net cast forth: and only the unprofitable is caught.
And let your best be for your friend.
If he must know the ebb of your tide, let him know its flood also.
For what is your friend that you should seek him with hours to kill?
Seek him always with hours to live.
For it is his to fill your need, but not your emptiness.
And in the sweetness of friendship let there be laughter, and sharing of pleasures.
For in the dew of little things the heart finds its morning and is refreshed.

2. Gibran on Love...
Then said Almitra, "Speak to us of Love."
And he raised his head and looked upon the people, and there fell a stillness upon them. And with a great voice he said:
When love beckons to you follow him,
Though his ways are hard and steep.
And when his wings enfold you yield to him,
Though the sword hidden among his pinions may wound you.
And when he speaks to you believe in him,
Though his voice may shatter your dreams as the north wind lays waste the garden.
For even as love crowns you so shall he crucify you. Even as he is for your growth so is he for your pruning.
Even as he ascends to your height and caresses your tenderest branches that quiver in the sun,
So shall he descend to your roots and shake them in their clinging to the earth.
Like sheaves of corn he gathers you unto himself.
He threshes you to make you naked.
He sifts you to free you from your husks.
He grinds you to whiteness.
He kneads you until you are pliant;
And then he assigns you to his sacred fire, that you may become sacred bread for God's sacred feast.
All these things shall love do unto you that you may know the secrets of your heart, and in that knowledge become a fragment of Life's heart.
But if in your fear you would seek only love's peace and love's pleasure,
Then it is better for you that you cover your nakedness and pass out of love's threshing-floor,
Into the seasonless world where you shall laugh, but not all of your laughter, and weep, but not all of your tears.
Love gives naught but itself and takes naught but from itself.
Love possesses not nor would it be possessed;
For love is sufficient unto love.
When you love you should not say, "God is in my heart," but rather, I am in the heart of God."
And think not you can direct the course of love, if it finds you worthy, directs your course.
Love has no other desire but to fulfil itself.
But if you love and must needs have desires, let these be your desires:
To melt and be like a running brook that sings its melody to the night.
To know the pain of too much tenderness.
To be wounded by your own understanding of love;
And to bleed willingly and joyfully.
To wake at dawn with a winged heart and give thanks for another day of loving;
To rest at the noon hour and meditate love's ecstasy;
To return home at eventide with gratitude;
And then to sleep with a prayer for the beloved in your heart and a song of praise upon your lips.

3. Gibran on Marriage...
Then Almitra spoke again and said, "And what of Marriage, master?"
And he answered saying:
You were born together, and together you shall be forevermore.
You shall be together when white wings of death scatter your days.
Aye, you shall be together even in the silent memory of God.
But let there be spaces in your togetherness,
And let the winds of the heavens dance between you.
Love one another but make not a bond of love:
Let it rather be a moving sea between the shores of your souls.
Fill each other's cup but drink not from one cup.
Give one another of your bread but eat not from the same loaf.
Sing and dance together and be joyous, but let each one of you be alone,
Even as the strings of a lute are alone though they quiver with the same music.
Give your hearts, but not into each other's keeping.
For only the hand of Life can contain your hearts.
And stand together, yet not too near together:
For the pillars of the temple stand apart,
And the oak tree and the cypress grow not in each other's shadow.

4. Gibran on Children...
And a woman who held a babe against her bosom said, "Speak to us of Children."
And he said:
Your children are not your children.
They are the sons and daughters of Life's longing for itself.
They come through you but not from you,
And though they are with you, yet they belong not to you.
You may give them your love but not your thoughts.
For they have their own thoughts.
You may house their bodies but not their souls,
For their souls dwell in the house of tomorrow, which you cannot visit, not even in your dreams.
You may strive to be like them, but seek not to make them like you.
For life goes not backward nor tarries with yesterday.
You are the bows from which your children as living arrows are sent forth.
The archer sees the mark upon the path of the infinite, and He bends you with His might that His arrows may go swift and far.
Let your bending in the archer's hand be for gladness;
For even as he loves the arrow that flies, so He loves also the bow that is stable.

As Ninfas do Vale, Gibran Khalil Gibran


Marta, de Bem

“Atrás deste Eu encarcerado, Tenho outro Eu, alado e livre. Comparados com seus sonhos, meus sonhos são como uma corrida nas trevas. E meus desejos, comparados com os seus, são como uma agitação de esqueletos”.

“... E ela crescia como crescem as plantas e os sentimentos se formavam nela sem que o percebesse, como se forma o perfume nas flores. E, pouco a pouco, a menina tornou-se uma moça, similar a uma terra boa e virgem na qual o conhecimento não havia jogado suas sementes nem a experiência deixado suas marcas” (p.12).

“... Nós muito semeamos e pouco ceifamos. Eles ceifam o que semeiam. Somos escravos da ambição, enquanto que o contentamento os mantém sempre livres. Bebemos a vida numa taça turbada pela amargura. Eles bebem a vida em toda a sua limpidez” (p. 13).

“Naquelas ruas imundas, onde o vento se mistura com o sopro da morte...” (p. 17).

“... não és impura, embora a vida te tivesse entregue às mãos dos impuros. As manchas do corpo não atingem a alma imaculada e a neve amontoada não mata as sementes vivas. Esta vida é uma eira de provações onde os feixes das almas são debulhados antes que dêem sua colheita; e infelizes das espigas abandonadas fora da eira, pois as formigas da terra as carregarão e as aves do céu as apanharão e elas não entrarão no campo do Senhor... És vítima de uma injustiça. Mas é melhor ser vítima do que autor da injustiça. És uma flor pisada pelo animal que sobrevive no homem... Consola-te. É melhor ser a flor pisada do que o pé que pisa a flor” (p. 20).

Cinza dos Séculos e o Fogo Eterno

“Ó alma, quando o ignorante diz: ‘A alma desaparece como o corpo e o que se vai não volta mais’. Dize-lhe que as flores também passam, mas as sementes permanecem. Assim é como a essência da vida”.

“... Mas os gênios nos invejaram e insuflaram, no seu corpo delicado, os germes de uma doença estranha e enviaram o mensageiro da morte para arrebatá-la. E ele está, agora mesmo, ao lado da sua cama, rugindo como um tigre faminto, estendendo sobre ela suas asas negras, ameaçando-a com suas garras” (p.27 e 28).

“... Vou-me quando as taças do amor e da juventude estão ainda cheias de nossas mãos e os caminhos da vida se estendem diante de nós...” (p. 30).

“Passaram-se séculos. As pegadas de cada geração destruíam as pegadas das gerações anteriores. Os deuses antigos abandonaram o país. Outros deuses lhes sucederam. Os majestosos templos da Cidade do Sol foram demolidos. Os belos palácios converteram-se em pó. Os jardins verdejantes secaram. Os campos férteis se transformaram em deserto. Subsistiram apenas as ruínas gigantescas, como sombras do glorioso passado... Mas os séculos que aniquilam as realizações do homem nada podem contra seus sonhos e seus sentimentos. Estes sobrevivem como o espírito poderoso e eterno, embora desapareçam aparentemente, como o sol desaparece de noite e a lua, de dia” (p. 32).

Gibran Khalil Gibran. As Ninfas do Vale.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Temporais, Gibran Khalil Gibran

Satanás

“O demônio respondeu com certa impaciência: “Não sabes o que dizes e não calculas o crime que cometes contra ti mesmo. Eu fui e continuo a ser a causa de teu bem estar e felicidade. Menosprezas meus benefícios e negas meu mérito, enquanto vives à minha sombra?” (p. 5, 1o parágrafo).

“Não sabes, em tua ciência, que quando a causa desaparece, as conseqüências desaparecem também?” (p. 5, 3o parágrafo).

“Ouve-me, ó impertinente ingênuo e te mostrarei a verdade que liga meu destino ao teu. Na primeira hora da existência, o homem pôs-se de pé diante do Sol, estendeu os braços e clamou: "Atrás das estrelas, há um Deus poderoso, que ama o bem”. Depois virou de costas ao Sol e viu uma sombra alongada no chão e gritou: “E nas profundezas da terra, há um demônio maldito que gosta do mal...E durante séculos o homem sentiu-se vagamente dominado por duas forças: uma boa que ele abençoava; outra má, que ele amaldiçoava” (p. 5. 4o e 5o parágrafos).

“... É o demônio, o maior inimigo do homem, a força que desvia a marcha do furacão para as nossas casas, que manda a seca para nossas plantações e as moléstias aos nossos rebanhos, que se alegra com nossa infelicidade e se entristece com nossos júbilos. Precisamos estudar seus humores e táticas para prevenirmos seus malefícios e frustrarmos seus ardis” (p. 7, 3o parágrafo).

“Minha existência foi a causa de sua aparição” (p. 7, 6o parágrafo).

“Curioso é que me esfalfei a mostrar-te uma verdade que conheces melhor do que eu e que serve a teus interesses ainda mais que aos meus” (p. 8, 2o parágrafo).

“Deves viver, porque sem ti os homens deixarão de temer o inferno e mergulharão nos vícios. Tua vida é, portanto, necessária à salvação da humanidade; e eu sacrificarei meu ódio por ti no altar de meu amor pela humanidade” (p. 8, 4o parágrafo).

“... Com tua perspicácia, criaste uma justificativa para a minha existência, que eu próprio ignorava” (p. 8, 5o parágrafo).

A Escravidão

“Os homens são escravos da vida e a escravidão marca seus dias de vileza e suas noites de sangue e lágrimas” (p. 11, 1o parágrafo).

“... nunca vi senão pescoços curvados sob os jugos e braços acorrentados e joelhos dobrados perante ídolos” (p. 11, 2o parágrafo).

“... ouvi os vales e as florestas repetirem o eco das lamentações das gerações e dos séculos” (p. 11, 3o parágrafo).

“Visitei palácios, institutos, templos e aproximei-me de tronos, altares, tribunais e não vi senão escravos: vi o operário escravo do comerciante e o comerciante escravo do militar e o militar escravo do governante que por sua vez era escravo do rei. E o rei escravo do sacerdote e o sacerdote escravo do ídolo – e o ídolo: um punhado de barro, modelado pelos demônios e erguido sobre um montículo de crânios” (p. 11,12, 1o parágrafo).

“Acompanhei as gerações das margens do Ganges ao desembarcar do Nilo, ao Monte Sinai, as praças públicas da Grécia, as igrejas de Roma, as ruas de Constantinopla, aos edifícios de Londres e vi a escravidão caminhar em toda a parte: ora oferecem-lhe sacrifícios e chamam-lhe Deus; ora vertem vinho e perfumes aos seus pés e chamam-lhe rei. Ou queimam incenso ante suas estátuas e chamam-lhe profeta; ou prosternam-se perante ela e chamam-lhe lei; ou lutam e se dilaceram por ela e chamam-lhe patriotismo. Ou submetem-se passivamente à ela e chama-lhe Religião; ou incendeiam e demolem suas próprias moradas por sua causa e chamam-lhe dinheiro e comércio...Pois ela tem muitos nomes, mas uma só essência...” (p. 12, 2o parágrafo).

“Uma de suas variedades mais estranhas é a escravidão cega, que solda o presente dos homens ao passado de seus pais e submete suas almas às tradições de seu avós, fazendo deles corpos novos para espíritos velhos e túmulos pintados para esqueletos decompostos” (p. 12, 3o parágrafo).

Veneno no Mel

“Nada é tão cruel quanto o destino de uma mulher posta entre o homem que ela ama e o homem que deve amar” (p. 17, 2o parágrafo).

Dentes Cariados

“E a Nação que enfraquece e morre não ressuscita para revelar suas doenças ao mundo e a ineficácia dos remédios sociais que a levaram ao túmulo” (p. 19, 5o parágrafo).

“Quantos ignorantes neste mundo! E como sua ignorância é incômoda” (p. 20, 4o parágrafo).

A Presença Invisível

“O mundo celebra meu nome e as tradições que os séculos teceram em volta de meu nome. Mas eu permaneço um estrangeiro, percorrendo o universo e atravessando os séculos sem encontrar, entre os povos, quem compreenda minha verdade. As raposas têm covis e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça” (p. 27, 1o parágrafo)*.


Os Gigantes

“Quem escreve com tinta não é como quem escreve com o sangue do coração” (p. 42, 1o parágrafo).

“Refugiei-me no silêncio porque os ouvidos da humanidade se fecharam ao sussurro dos fracos e só ouvem o tumulto do abismo. E é mais prudente para o fraco calar-se diante das forças tempestuosas da vida – essas forças que têm os canhões por voz e as bombas por palavras” (p. 42, 3o parágrafo).

“Os valores e os problemas que monopolizam os pensamentos e os corações estão na penumbra. Os sonhos antigos desvaneceram-se como a bruma e foram substituídos por gigantes que caminham com as tempestades, se movem com as marés e respiram com os vulcões” (p. 42, 4o parágrafo).

“Todas as vezes que me isolo com minha alma, faço-lhe perguntas. Mas a lama é como o destino: vê e não fala; caminha e não se vira. Tem os olhos penetrantes e os passos rápidos, mas a língua pesada” (p. 43, parágrafo).

“... o que as gerações edificaram pela ciência e a arte, o homem moderno demoliu pelo egoísmo e ganância. Vivemos novamente como os trogloditas. E só nos diferenciamos deles por motivo das máquinas e estratagemas que inventamos para destruir” (p. 4, parágrafo).

“... estão agora lutando para resolver um problema da Terra que somente a guerra pode resolver” (p. 44, 5o parágrafo).

“O sangue vertido se transformará em elixir e as lágrimas choradas brotarão como flores. As almas assassinadas se reunirão e sairão detrás do horizonte como uma nova aurora. Então, os homens verificarão que foi mesmo a justiça que eles compraram no mercado das iniqüidades e que, quem investe na justiça sai perdendo... E a primavera voltará. Mas quem espera atingir a primavera sem passar pelo inverno nunca a atingirá” (p. 45, 2o parágrafo).

As Nações

“Uma Nação é uma comunidade de indivíduos que divergem no seu caráter, tendências, opiniões, mas são unidos por um laço moral mais forte que suas divergências” (p. 46, 1o parágrafo).
A tempestade

“... Procurou consolo na solidão” (p. 50, 2o parágrafo).

“... Sei que os segredos das almas ficam além das nossas suposições e deduções” (p. 50, 3o parágrafo).

“O homem vive à sombra de leis e tradições por ele inventadas” (p. 52, 15o parágrafo).

“Acreditar é uma coisa; viver conforme o que se acredita é outra coisa. Muitos falam como o mar, mas vivem como os pântanos. Muitos levantam a cabeça acima dos montes, mas suas almas jazem nas trevas das cavernas” (p. 52, 17o parágrafo).

“... deixei a civilização porque a achei uma árvore idosa e carcomida cujas flores são a cobiça e o engano e cujas frutas são a infelicidade e o desassossego. Alguns reformadores tentaram transformá-la, mas nada conseguiram e acabaram perseguidos e derrotados” (p. 53, 24o parágrafo).

“... Procurei a solidão porque cansei de lidar com os endinheirados que pensam que o Sol e a Lua e as estrelas se levantam de seus cofres e se deitam nos seus bolsos. Cansei-me dos políticos que enchem os olhos dos povos com poeira dourada e seus ouvidos com falsas promessas. Cansei-me dos sacerdotes que aconselham os outros, mas não se aconselham e exigem dos outros o que não exigem de si mesmos...” (p. 54, 25o parágrafo).

“... não vês que ao diagnosticar as doenças da sociedade como um médico competente, demonstraste que não te deves afastar dela antes de curá-la, como um médico não pode afastar-se do doente, mas tratá-lo até que sare ou morra?...Desde o começo, os médicos têm procurado salvar este doente...mas todos morreram desesperados, sem nada conseguir. Este doente malvado mata seus médicos e depois fecha-lhes os olhos e diz: “Eram realmente grandes médicos”. Não meu amigo, nenhum homem mudará os homens. O agricultor mais hábil não obterá colheita no inverno” (p. 54, 55, 27o parágrafo).

“Quanto à escravidão do homem ao seu passado, às suas tradições e superstições, esta escravidão não mudará mesmo que mudem todas as suas aparências. A escravidão não deixa de ser escravidão, chamando-se de liberdade” (p. 56, 32o parágrafo).

“... As invenções e descobertas nada são senão brinquedos que a mente se diverte no seu tédio... Quanto a esses quebra-cabeças, chamados ci6encias e artes, nada são senão cadeias douradas com as quais o homem se acorrenta, deslumbrado com seu tilintar... São os fios da tela que o homem tece desde o início do tempo sem saber que, quando terminar sua obra, terá construído a prisão dentro da qual ficará preso” (p. 56, 33o parágrafo).

“Quem o sente, não o pode expressar em palavras. E quem não sente, não poderá nunca conhecê-lo através de palavras” (p. 57, 37o parágrafo).

A Fada Feiticeira

“Até quando te seguirei neste caminho escarpado, coberto de espinhos que serpenteiam entre as pedras e levam nossos pés aos cumes e nossas almas ao abismo?” (p. 59, 1o parágrafo).
“Olha um momento para mim: talvez descubram em teus olhos os segredos de teu coração e nos teus traços os enigmas de tua alma” (p. 59, 3o parágrafo).

“... Tendo absorvido o veneno nos teus beijos, tornei-me um embriagado que pede mais do vinho que lhe roubou a vontade e beija a mão que o esbofeteou” (p. 60, 8o parágrafo).

Ó Filhos de Minha Mãe

“O ódio é uma torrente que só arrasta os troncos dessecados e só derruba as casas abaladas” (p. 69, 8o parágrafo).

“... O medo transformou vossos cabelos em cinzas e a insônia transformou vossos olhos em cavidades escuras e a covardia tocou vossos semblantes e os transformou em farrapos enrugados. E a morte beijou vossos lábios e eles se tornaram amarelos como as folhas do outono” (p. 70, 12o parágrafo).

“Vossas espadas estão enferrujadas, vossas lanças cegas e vossos escudos cobertos de lama. Por que permaneceis no campo de batalha?” (p. 70, 15o parágrafo).

A Violeta Ambiciosa

“O objetivo da vida é atingir o que há além da vida” (p. 73, 15o parágrafo).

O Coveiro

“a infelicidade dos filhos está no que recebem dos pais. Quem não renuncia ao legado de seus pais e avós, será escravo dos mortos até que se torne um morto por sua vez” (p. 76, 16o parágrafo).

“Não vi nenhum cadáver abandonado por aí... Tu olhas como os olhos da ilusão. Ao ver os homens se agitarem na tempestade, pensas que vivem, quando na realidade estão mortos desde que nasceram. Mas não houve quem os enterrasse e ficaram sobre a terra a exalar podridão” (p. 77, 22o parágrafo).

“... essas são fórmulas que as gerações passadas têm repisado e que a imitação depositou nos teus lábios. Na realidade, tu só crês em ti mesmo e só honras a ti mesmo e só esperas por tua própria imortalidade. Desde o começo, o homem adora seu próprio ego, mas lhe empresta diversos nomes, conforme suas inclinações e aspirações, chamando-lhe ora Baal e ora Júpiter e ora Deus” (p. 78, 38o parágrafo).

Meus Parentes Morreram

“O sentimento que nos leva a dar algo de nossa vida para salvar os que correm o risco de perder toda a sua vida é o único gesto que nos manterá dignos da luz do dia e da quietude da noite... E o auxílio que colocamos na mão vazia que se estende para nós é o elo de ouro que ligará o que há de humano em nós aos valores supra-humanos da vida” (pg. 84, último parágrafo).

Anestésicos e Escalpelos

“Cala-te, pois o lho que desafia a flecha é vazado” (p. 89, 1o parágrafo).

“Os indolentes inventam desculpas piores do que a própria culpa” (p. 89, 3o parágrafo).

“Quem não usa o olho da fé nada vê neste mundo senão brumas e fumaça” (p. 89, 5o parágrafo).

Nós e Vós

“vós depositais vossos corações nas mãos do vácuo porque as mãos do vácuo são macias e vós confortais na companhia da ignorância porque a casa da ignorância não tem um espelho que reflita vossos rostos” (p. 92, 1o parágrafo).

“... E vós sorrides e dos cantos de vossas bocas sorridentes corre a ironia como o veneno da cobra corre da sua mordedura” (p. 92, 3o parágrafo).

“Nós choramos porque ouvimos o gemido dos pobres e os gritos do oprimido. E vós rides porque só ouvis o tocar das taças” (p. 92, 4o parágrafo).

“Vós procurais o divertimento e os divertimentos já dilaceraram um miríades de mártires nas arenas de Roma e Antioquia” (p. 93, 9o parágrafo).

“Nós nos aproximamos de vós como amigos e vós nos agredis como inimigos. E entre a amizade e a inimizade se estende um abismo cheio de lágrimas e de sangue” (p. 94, 12o parágrafo).

“Nós edificamos palácios para vós e vós cavais túmulos para nós. E entre o esplendor dos palácios e as trevas dos túmulos, a humanidade caminha com pés de ferro” (p. 94, 13o parágrafo).

“Nós cobrimos vossos caminhos com rosas e vós cobris nossos leitos com espinhos. E entre as pétalas das rosas e os seus espinhos, a verdade dorme num sono profundo” (p. 94, 14o parágrafo).

“... combateis nossas forças amenas com vossa fraqueza rude” (p. 94, 15o parágrafo).

“... Vós sois lembrados pela humanidade como cadáveres que não encontram quem os enterre na noite do esquecimento e do vácuo” (p. 94, 16o parágrafo).

Jesus Crucificado

“... deitar-se à sombra do esquecimento, embalados pela ignorância e a indolência” (p. 95, 2o parágrafo).

“... Perdoa-lhes porque não sabem o que fazem” (p. 96, 1o parágrafo).

“a humanidade é uma mulher que se deleita em se lamentar sobre os heróis dos séculos. Se fosse homem, regozijar-se-ia pela sua grandeza e suas glórias” (p. 96, 5o parágrafo).

“Tu és, na tua melancolia, mais alegre que a primavera com suas flores. Tu és, nas tuas dores, mais sereno que os anjos em seu paraíso. Tu és, na mão dos carrascos, mais livre que a luz do Sol” (p. 98, 2o parágrafo).

“Perdoa, pois, a esses fracos que se lamentam sobre ti, em vez de se lamentarem sobre si mesmos. Perdoa-lhes porque não sabem que venceste a morte pela morte e deste a vida aos que estão nos túmulos” (p. 98, 3o parágrafo).

O Poeta

“... Sou assim levado a pensar sempre numa pátria encantada que não conheço e a sonhar com os sortilégios de uma terra longínqua que nunca visitei” (p. 108, 1o parágrafo).

“Quando minha língua fala, meu ouvido estranha-lhe a voz” (p. 108, 3o parágrafo).

“Acordo pela manhã e acho-me prisioneiro num antro escuro, freqüentado por cobras e insetos. Se sair à luz, a sombra de meu corpo me segue as sombras e minha alma me precedem, levando-me aonde não sei, oferecendo-me coisas de que não preciso, procurando algo que não entendo...” (p. 109, 4o parágrafo).
“... Não há no mundo quem conheça uma palavra da minha alma” (p. 110, 1o parágrafo).

“Sou um poeta que põe o que a vida põe em versos e em versos o que a vida põe em prosa...” (p. 110, 4o parágrafo).

Antes do Suicídio

“... Ontem é um sonho que não voltará mais” (p. 116 3o parágrafo).

Palavras e Palavreadores

“Acordo pela manhã e vejo as palavras sentadas ao meu lado sobre as faces das cartas, dos jornais e das revistas. E elas me lançam olhares cheios de astúcia e fingimento” (pg. 119, 3o parágrafo).

“Penetro nos tribunais e escolas e o que encontro? Palavras, todas servindo de invólucro para mentiras e astúcias” (pg. 120, 3o parágrafo).

“e agora que mostrei meu menosprezo pelas palavras e os palavreadores, acho-me um médico doente ou como um criminoso pregando para outros criminosos. Censurei as palavras com palavras. E, querendo fugir dos palavreadores, revelei-me um deles...” (p. 122, 3o parágrafo).

Nas Trevas da Noite

“... E todos estamos esfomeados, atormentados pela fome. Mas a Morte não tem fome nem sede. Engole nossas almas e nossos corpos. Bebe nosso sangue e nossas lágrimas, mas não se satisfaz nem se sacia” (p. 124, 1o parágrafo).



Filhos de Deuses e Netos de Macacos

“Não somos mais hoje o que éramos ontem” (p. 128, 3o parágrafo).

À Porta do Templo

“E o dia se foi enquanto os homens passavam diante do templo, cada um pintando-se a si mesmo, pensando que estava pintando o amor e expressando suas aspirações, pensando que estava revelando o segredo da vida” (p. 132, 4o parágrafo).

O Rei Encarcerado

“Paciência, ó rei encarcerado; não estás na tua prisão em piores condições do que eu no meu corpo” (p. 133, 1o parágrafo).

“... Sou entre os escravos da vida como tu entre as grades da tua jaula” (p. 133, 3o parágrafo).

“... ó prisioneiro venerável, olha para aquelas ruas largas e aqueles becos estreitos: são vales perigosos onde se escondem os assaltantes. São campos de batalhas entre as ambições, onde as almas lutam, mas não com as espadas e se dilaceram mutuamente, mas não com garras. Mais exatamente, são a selva dos horrores, onde moram animais de aparência domesticada, com rabos perfumados e chifres polidos, que obedecem à lei da sobrevivência não do melhor, mas do mais astucioso e mais fingido e respeitam as tradições que exaltam não o mais forte e o mais dotado, mas o mais hipócrita e o mais falso. E seus reis não são leões como tu, mas criaturinhas estranhas que têm o bico da águia e as garras do lobo, o ferrão do escorpião e o coaxo das rãs” (p. 134, 135, 5o parágrafo).

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

O Ar e os Sonhos: Ensaio sobre a imaginação do movimento, Gaston Bachelard


Para quem conhece o devaneio escrito, para quem sabe viver, plenamente viver, ao correr da pena, o real está tão longe! O que se tinha a dizer é tão depressa suplantado pelo que nos surpreendemos a escrever, que sentimos bem que a linguagem escrita cria o seu próprio universo. Um universo das frases se ordena sobre a página branca, numa coerência de imagens que não raro tem leis bastante variadas, mas que conserva sempre as grandes leis do imaginário. As revoluções que modificam os universos escritos se fazem em proveito de universos mais vivos, menos empolados, mas sem nunca suprimir as funções dos universos imaginários. Aliás, mesmo em imagens literárias isoladas, sentimos em ação essas funções cósmicas da literatura. Uma
imagem literária basta às vezes para nos transportar de um universo a outro. É nisso que a imagem literária aparece como a função mais inovadora da linguagem. A linguagem evolui muito mais por suas imagens que por seu esforço semântico (Bachelard, 1990, p.258).

Verbo que se escreve tem sobre o verbo falado a imensa vantagem de evocar ecos abstratos em que os pensamentos e os sonhos se repercutem. A palavra enunciada nos toma muita força, exige demasiada
presença, não nos faculta o total domínio de nossa lentidão. Há imagens literárias que nos engajam em reflexões indefinidas, silenciosas. Percebemos então que na própria imagem se incorpora um silêncio em profundidade. Se quisermos estudar essa integração do silêncio ao poema, não é preciso fazer dela a simples dialética linear das pausas e dos sons ao longo de uma recitação. Importa compreender que o princípio do silêncio em poesia é um pensamento oculto, um pensamento secreto. No momento em que um pensamento hábil em ocultar-se sob suas imagens espreita na sombra um leitor, os ruídos se abafam e a leitura começa, a lenta leitura sonhadora. Na busca de um pensamento oculto sob os sedimentos expressivos desenvolve-se a geologia do silêncio (Bachelard, 1990, p. 259).

Tomada em sua vontade de trabalhar a expressão, a imagem literária é uma realidade física que tem um relevo especial; mais exatamente, é o relevo psíquico, o psiquismo em vários planos. Ela grava ou eleva. Reencontra uma profundidade ou sugere uma elevação. Sobe ou desce entre céu e terra. É polifônica por ser polissemântica. Se os sentidos se dividem em demasia, ela pode cair no "jogo de palavras". Se ela se encerra num sentido único, pode cair no didatismo. O verdadeiro poeta evita os dois perigos. Ele joga e ensina. Nele, o verbo reflete e reflui. Nele, o tempo se põe a esperar. O verdadeiro poema desperta um invencível desejo de ser relido. Tem-se imediatamente a impressão de que a segunda leitura nos dirá mais que a primeira. E a segunda leitura - é mais lenta que a primeira. É uma leitura recolhida. Nunca terminamos de sonhar o poema, nunca terminamos de pensá-lo. E às vezes vem um grande verso, um verso carregado de tamanha dor ou de tamanho pensamento que o leitor – o leitor solitário - murmura: e nesse dia a leitura não seguirá adiante (p. 260).

As imagens têm um estilo. As imagens cósmicas são estilos literários. A literatura é um mundo válido. Suas imagens são primeiras. São as imagens do sonho falante, do sonho que vive no ardor da imobilidade noturna, entre o silêncio e o murmúrio. Uma vida imaginária – “a verdadeira vida" - se anima em torno de uma imagem literária pura (p. 261).

Em quaisquer circunstâncias, a vida toma muito para ter o bastante. É preciso que a imaginação tome muito para que o pensamento tenha o bastante. É preciso que a vontade imagine muito para realizar o bastante (p. 262).

BACHELARD, Gaston. O Ar e os Sonhos: Ensaio sobre a imaginação do movimento. São
Paulo: Martins Fontes.