segunda-feira, 12 de março de 2012

Corpo humano: o poder do cérebro

O cérebro, documentário

A arte da guerra, Sun Tzu



Escrito no séc. IV a.C., há cerca de 2.500 anos, por Sun Tzu, um general e estratega chinês, o livro "Arte da Guerra" continua ainda hoje a ser admirado como fonte de ensinamentos na área da estratégia. De facto, muitos consideram "A Arte da Guerra" como a origem do próprio conceito de estratégia. Apesar de ser um tratado puramente militar, os conselhos e ensinamentos de Sun Tzu são perfeitamente adaptáveis ao mundo das empresas e dos negócios; basta para isso olhar para a concorrência como o inimigo e para o mercado como o campo de batalha.

The Writer’s Job, Tim Parks


Since when did being a writer become a career choice, with appropriate degree courses and pecking orders? Does this state of affairs make any difference to what gets written?
At school we were taught two opposing visions of the writer as artist. He might be a skilled craftsman bringing his talent to the service of the community, which rewarded him with recognition and possibly money. This, they told us, was the classical position, as might be found in the Greece of Sophocles, or Virgil’s Rome, or again in Pope’s Augustan Britain. Alternatively the writer might make his own life narrative into art, indifferent to the strictures and censure of society but admired by it precisely because of his refusal to kowtow. This was the Romantic position as it developed in the late eighteenth and nineteenth centuries.
Let’s leave aside how accurate this is historically; it’s what they taught us and it got stuck in our heads: on the one hand the writer as artisan whose personality was hardly important, a position dominant in pre-industrial times when writers were few and held subordinate roles in fairly rigid hierarchies (a Petrarch or a Chaucer); on the other the writer as a charismatic superman (the Byrons and Shelleys) whose refined sensibility and creative powers gave him the right to transgress and question his community’s rules. This vision suited a time of tension between individual and mechanized mass society. The Romantic writer helped the reader fight back against the homogenizing pressures of a modern industrialized world.
As we know, T.S. Eliot rather complicated matters by telling us that the writer had to overcome his personality and find his place in a literary tradition; his work would only be truly distinctive when it marked the next development in the natural unfolding of the collective imagination as manifested in “the canon.” To the perplexed adolescent I was when I read Eliot, this sophisticated consideration seemed to offer a compromise between the classical and Romantic positions. But only at first glance. Read carefully, Eliot was more Romantic than ever: only those who had real personality, special people like himself, would appreciate what a burden personality was and wish to shed it. Literature became the drama of this special person’s sublimation or sacrifice of self through exploration of the work of other equally special people who came before him, to whose achievements he then added his own individual contribution. There was something painful and noble about this endeavor that raised the writer to a pantheon worshiped by an elite. Above all Eliot stressed that the creation of literature would require endless hard work over many years and quite probably a degree in the classics and/or modern European literatures. The young aspirant now had a core curriculum to follow to become a writer, but knew he’d have to hang in for the long haul.
Still, none of this prepared us for the advent of creative writing as a “career.” In the last thirty or forty years, the writer has become someone who works on a well-defined career track, like any other middle class professional, not, however, to become a craftsman serving the community, but to project an image of himself (partly through his writings, but also in dozens of other ways) as an artist who embodies the direction in which culture is headed. In short, the next big new thing. A Rushdie. A Pamuk.
It’s rather as if the spontaneous Romanticism of the nineteenth-century poets had become a job description; we know what a romantic is (his politics, his behavior patterns), we know that is the way to literary greatness, so let’s do it. Coetzee’s novel Youth captures with fine wryness the trials of a methodical young man seeking to make a career out of becoming the kind of writer he is not.
Let’s consider a few of the changes that led us to this state of affairs.
In the twentieth century people stopped just reading novels and poems and started studying them. It was a revolution. Suddenly everybody studied literature. At school it was obligatory. They did literature exams. They understood that when there are metaphors and patterns of symbolism and character development etc. then you have “literature.” They supposed that if you could analyze it, you could very probably do it yourself. Since enormous kudos was afforded to writers, and since it was now accepted that nobody needed to be tied to dull careers by such accidents of birth as class, color, sex, or even IQ, large numbers of people (myself included!) began to write. These people felt they knew what literature was and how to make it.
In the second half of the century the cost of publishing fell considerably, the number of fiction and poetry titles per annum shot up (about forty thousand fiction titles are published in the US each year), profits were squeezed, discounting was savage. A situation was soon reached where a precious few authors sold vast numbers of books while vast numbers of writers sold precious few books. Such however was the now towering and indeed international celebrity of the former that the latter threw themselves even more eagerly into the fray, partly because they needed their declining advances more often, partly in the hope of achieving such celebrity themselves.
It became clear that the task of the writer was not just to deliver a book, but to promote himself in every possible way. He launches a website, a Facebook page (I’m no exception), perhaps hires his own publicist. He attends literary festivals all over the world, for no payment. He sits on the jury for literary prizes for very little money, writes articles in return for a one-line mention of his recent publication, completes dozens of internet interviews, offers endorsements for the books of fellow writers in the hope that the compliment will be returned. It would not be hard to add to this list.
In the first half of the twentieth century the decline of the gentleman publisher coincided with a rapid growth in the number of writers seeking to storm the citadel. Along with the increasing complexity of book contracts—hardbacks and paperbacks, bookclubs, bonuses, options, sliding scales of royalties, film rights, foreign rights, territorial divisions, remainders, and a host of other niceties—these conditions created and consolidated the figure of the literary agent.
The emergence of the agent signals an awareness that there is a clash between the idea of writing as a romantic, anti-establishment vocation and the need for the professional writer to mesh with a well-established industrial and promotional machine. Hopefully the agent would reduce the tension between the two. Soon, however, agents found themselves so overwhelmed by pressure from would-be new arrivals and contract complications that they could no longer be seen either as a gateway into the world of publishing, or as middle men who could spare writers from getting their hands dirty. It was at this point, in the 1980s, that the creative writing course took off and the figure of the career writer began to assert itself.
One of the myths about creative writing courses is that students go there to learn how to write. Such learning, when and if it takes place, is a felicitous by-product that may or may not have to do with the teaching; the process of settling down to write for a year would very probably yield results even without teachers. No, the student goes to the course to show himself to teachers who as writers are well placed (he imagines!) to help him present himself to the publishers. Most creative writing courses now offer classes on approaching agents and publishers and promoting one’s work. In short, preparing for the job.
At the same time the perceived need for an expensive year-long creative writing course on the part of thousands of would-be writers affords paid employment to those older writers who have trouble making ends meet but are nevertheless determined to keep at it. One of the problems of seeing creative writing as a career is that careers are things you go on with till retirement. The fact that creativity may not be co-extensive with one’s whole working life is not admitted. A disproportionate number of poets teach in these courses.
Creative writing schools are frequently blamed for a growing standardization and flattening in contemporary narrative. This is unfair. It is the anxiety of the writers about being excluded from their chosen career, together with a shared belief that we know what literature is and can learn how to produce it that encourages people to write similar books. Nobody is actually expecting anything very new. Just new versions of the old. Again and again when reading for review, or doing jury service perhaps for a prize, I come across carefully written novels that “do literature” as it is known. Literary fiction has become a genre like any other, with a certain trajectory, a predictable pay off, and a fairly limited and well-charted body of liberal Western wisdom to purvey. Much rarer is the sort of book (one thinks of Gerbrand Bakker’s The Twin, or Peter Stamm’s On a Day Like This, or going back a way, the maverick English writer Henry Green) where the writer appears, amazingly, to be working directly from experience and imagination, drawing on his knowledge of past literature only in so far as it offers tools for having life happen on the page.
So then, a would-be anti-conventional public enjoys the notion of the rebel, or at least admirably independent, writer, but more and more to achieve success that same writer has to tune in to the logic of an industrial machine, which in turn encourages him to cultivate an anti-conventional image. This is an incitement to hypocrisy. Meantime the world opens up; books travel further and translate faster than they ever did in the past. A natural selection process favors those writers whose style and content cross borders easily. Success and celebrity breed imitators. Lots of them. Nobody can read everything. Nobody can read the hundredth part of everything. Nevertheless international prizes purport to tell us which is the best novel of the year, who the greatest writer.
The ultimate achievement of the career writer, after a lifetime of literary festivals, shortlists and prizes, readings, seminars, honorary degrees, lectures, and, of course, writing is, or would be, to place himself inside “the canon.” But in the publishing culture we have today any idea that a process of slow sifting might produce a credible canon such as those we inherited from the distant past is nonsense. Whatever in the future masquerades as a canon for our own time will largely be the result of good marketing, self-promotion, and of course pure chance.
Is all this bad news? Only if one is attached to dreams of greatness. In a droll lecture entitled “Ten Thousand Poets” delivered at the annual conference of The Association of Literary Scholars and Critics at Boston University last October, the excellent poet Mark Halliday reflected:
“I think all of us who keep striving and striving to publish another and another book of poems are still in love with the ideas of GREATNESS and IMPORTANCE.”
As Halliday concluded such ideas were simply not compatible with the era of the career writer.

February 28, 2012, 3:45 p.m.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Biografia de Sigmund Freud (parte 5)

Biografia de Sigmund Freud (parte 4)

Biografia de Sigmund Freud (parte 3)

Biografia de Sigmund Freud (parte 2)

Biografia de Sigmund Freud (parte 1)



Sigismund Schlomo Freud (Freiberg, 6 de mayo de 1856 - Londres, 23 de septiembre de 1939), más conocido como Sigmund Freud fue un médico y neurólogo austriaco, creador del psicoanálisis. historia.

Comenzó su carrera interesándose por la hipnosis y su uso para tratar a enfermos mentales. Más tarde, aunque mantuvo en la terapia varios aspectos de esta técnica, reemplazó la hipnosis por la asociación libre y el análisis de los sueños, para desarrollar lo que, actualmente, se conoce como «la cura del habla». Todo esto se convirtió en punto de partida del psicoanálisis.

Freud se interesó especialmente en lo que entonces se llamaba histeria (hoy en día trastorno de conversión según el DSM-IV) y en la neurosis (actualmente esta clasificación fue descartada por la psiquiatría y aparece en la nosología psicoanalítica reclasificada bajo distintas denominaciones: afecciones psicosomáticas, neurosis y psicosis).

Las teorías de Sigmund Freud y el tratamiento que daba a sus pacientes causaron un gran revuelo en la Viena del s. XIX y el debate sobre las mismas continúa en la época actual. Sus ideas son a menudo discutidas y criticadas, y muchos consideran su obra como más bien perteneciente al campo del pensamiento y de la cultura en general. Además, existe un amplio debate sobre si el psicoanálisis y los tratamientos asociados a él pertenecen al ámbito de la ciencia.

La división de opiniones sobre Freud se puede resumir de este modo: por un lado, sus seguidores más convencidos le consideran un gran científico de la medicina que descubrió importantes verdades sobre la psicología humana; y por otro, sus críticos lo ven como un filósofo que replanteó la naturaleza humana y nos ayudó a derribar tabúes, pero cuyas teorías, como ciencia, fallan en un examen riguroso.

terça-feira, 6 de março de 2012

Sigmund Freud documentary (part 03)

Sigmund Freud documentary (part 02)

Sigmund Freud documentary (part 01)

Como escrever um bom artigo, Stephen Kanitz


Escrever um bom artigo é bem mais fácil do que a maioria das pessoas pensa. No meu caso, português foi sempre a minha pior matéria. Meu professor de português, o velho Sales, deve estar se revirando na cova.Ele que dizia que eu jamais seria lido por alguém. Portanto, se você sente que nunca poderá escrever, não desanime, eu sentia a mesma coisa na sua idade. Escrever bem pode ser um dom para poetas e literatos, mas a maioria de nós está apta para escrever um simples artigo, um resumo, uma redação tosca das próprias idéias, sem mexer com literatura nem com grandes emoções humanas. O segredo de um bom artigo não é talento, mas dedicação, persistência e manter-se ligado a algumas regras simples. Cada colunista tem os seus padrões. Eu vou detalhar alguns dos meus e espero que sejam úteis para você também. 1. Eu sempre escrevo tendo uma nítida imagem da pessoa para quem eu estou escrevendo. Na maioria dos meus artigos para a Veja, por exemplo, eu normalmente imagino alguém com 16 anos de idade ou um pai de família. Alguns escritores e jornalistas escrevem pensando nos seus chefes, outros escrevem pensando num outro colunista que querem superar, alguns escrevem sem pensar em alguém especificamente. A maioria escreve pensando em todo mundo, querendo explicar tudo a todos ao mesmo tempo, algo na minha opinião meio impossível. Ter uma imagem do leitor ajuda a lembrar que não dá para escrever para todos no mesmo artigo. Você vai ter que escolher o seu público alvo de cada vez, e escrever quantos artigos forem necessários para convencer todos os grupos. O mundo está emburrecendo porque a TV em massa e os grandes jornais não conseguem mais explicar quase nada, justamente porque escrevem para todo mundo ao mesmo tempo. E aí, nenhum das centenas de grupos que compõem a sociedade brasileira entende direito o que está acontecendo no país, ou o que está sendo proposto pelo articulista. Os poucos que entendem não saem plenamente ou suficientemente convencidos para mudar alguma coisa.
2. Há muitos escritores que escrevem para afagar os seus próprios egos e mostrar para o público quão inteligentes são. Se você for jovem, você é presa fácil para este estilo, porque
todo jovem quer se incluir na sociedade. Mas não o faça pela erudição, que é sempre conhecimento de segunda mão. Escreva as suas experiências únicas, as suas pesquisas bem sucedidas, ou os erros que já cometeu.Querer se mostrar é sempre uma tentação, nem eu consigo resistir de vez em quando de citar um Rousseau ou Karl Marx. Mas, tendo uma nítida imagem para quem você está
escrevendo, ajuda a manter o bom senso e a humildade. Querer se exibir nem fica bem. Resumindo, não caia nessa tentação, leitores odeiam ser chamados de burros. Leitores querem sair da leitura mais inteligentes do que antes, querem entender o que você quis dizer. Seu objetivo será deixar o seu leitor, no final da leitura, tão informado quanto você, pelo menos na questão apresentada. Portanto, o objetivo de um artigo é convencer alguém de uma nova idéia, não convencer alguém da sua inteligência. Isto, o leitor irá decidir por si, dependendo de quão convincente você for.3. Reescrevo cada artigo, em média, 40 vezes. Releio 40 vezes, seria a frase mais correta porque na maioria das vezes só mudo uma ou outra palavra, troco a ordem de um parágrafo ou elimino uma frase, processo que leva praticamente um mês. Ninguém tem coragem de cortar tudo o que tem de ser cortado numa única passada. Parece tudo tão perfeito, tudo tão essencial. Por isto, os cortes são feitos aos poucos. Depois tem a leitura para cuidar das vírgulas, do estilo, da concordância, das palavras repetidas e assim por diante. Para nós, pobres mortais, não dá para fazer tudo de uma vez só, como os literatos. Melhor partir para a especialização, fazendo uma tarefa BEM FEITA por vez. Pensando bem, meus artigos são mais esculpidos do que escritos. Quarenta vezes talvez seja desnecessário para quem for escrever numa revista menos abrangente. Vinte das minhas releituras são devido a Veja, com seu público heterogêneo onde não posso ofender ninguém. Por exemplo, escrevi um artigo "Em terra de cego quem tem um olho é rei". É uma análise sociológica do Brasil e tive de me preocupar com quem poderia se sentir ofendido com cada frase. O Presidente Lula, apesar do artigo não ter nada a ver com ele, poderia achar que é uma crítica pessoal? Ou um leitor achar que é uma indireta contra este governo? Devo então mudar o título ou quem lê o artigo inteiro percebe que o recado é totalmente outro? Este é o tipo de problema que eu tenho, e espero que um dia você tenha também.O meu primeiro rascunho é escrito quando tenho uma inspiração, que ocorre a qualquer momento lendo uma idéia num livro, uma frase boba no jornal ou uma declaração infeliz de um
ministro. Às vezes, eu tenho um bom título e nada mais para começar. Inspiração significa que você tem um bom início, o meio e dois bons argumentos. O fechamento vem depois. Uma vez escrito o rascunho, ele fica de molho por algum tempo, uma semana, até um mês. O artigo tem de ficar de molho por algum tempo. Isso é muito importante. Escrever de véspera é escrever lixo na certa. Por isto, nossa imprensa vem piorando cada vez mais, e com a internet nem de véspera se escreve mais. Internet de conteúdo é uma ficção. A não ser que tenha sido escrito pelo próprio protagonista da notícia, não um intermediário.A segunda leitura só vem uma semana ou um mês depois e é sempre uma surpresa. Tem frases que nem você mais entende, tem parágrafos ridículos, mas que pelo jeito foi você mesmo que escreveu. Tem frases ditas com ódio, que soam exageradas e infantis, coisa de adolescente frustrado com o mundo. A única solução é sair apagando.O artigo vai melhorando aos poucos com cada releitura, com o acréscimo de novas idéias, ou melhores maneiras de descrever uma idéia já escrita. Estas soluções e melhorias vão aparecendo no carro, no cinema ou na casa de um amigo. Por isto, os artigos andam comigo no meu Palm Top, para estarem sempre à disposição. Normalmente, nas primeiras releituras tiro excessos de emoção. Para que taxar alguém de neoliberal, só para denegri-lo? Por que dar uma alfinetada extra? É abuso do seu poder, embora muitos colunistas fazem destas alfinetadas a sua razão de escrever.Vão existir neoliberais moderados entre os seus leitores e por que torná-los inimigos à toa? Vá com calma com suas afirmações preconceituosas, seu espaço não é uma tribuna de difamação. 4. Isto leva à regra mais importante de todas: você normalmente quer convencer alguém que tem uma convicção contrária à sua. Se você quer mudar o mundo você terá que começar convencendo os conservadores a mudar. Dezenas de jornalistas e colunistas desperdiçam as suas vidas e a de milhares de árvores, ao serem tão sectários e ideológicos que acabam sendo lidos somente pelos já convertidos. Não vão acabar nem mudando o bairro, somente semeando ódio e cizânia. Quando detecto a ideologia de um jornalista eu deixo de ler a
sua coluna de imediato. Afinal, quero alguém imparcial noticiando os fatos, não o militante de um partido. Se for para ler ideologia, prefiro ir direto na fonte, seja Karl Marx ou Milton Friedman. Pelo menos, eles sabiam o que estavam escrevendo.É muito mais fácil escrever para a sua galera cativa, sabendo que você vai receber aplausos a cada "Fora Governo" e "Fora FMI". Mas resista à tentação, o mercado já está lotado deste tipo de escritor e jornalista. Economizaríamos milhares de árvores e tempo se graças a um artigo seu, o Governo ou o FMI mudassem de idéia. 5. Cada idéia tem de ser repetida duas ou mais vezes. Na primeira vez você explica de um jeito, na segunda você explica de outro. Muitas vezes, eu tento encaixar ainda uma terceira versão.Nem todo mundo entende na primeira investida, a maioria fica confusa. A segunda explicação é uma nova tentativa e serve de reforço e validação para quem já entendeu da primeira vez.Informação é redundância. Você tem que dar mais informação do que o estritamente necessário. Eu odeio aqueles mapas de sítio de amigo que se você errar uma indicação você estará perdido para sempre. Imagine uma instrução tipo: "se você passar o posto de gasolina, volte, porque você ultrapassou o nosso sítio". Ou seja, repeti acima uma idéia mais ou menos quatro vezes, e mesmo assim muita gente ainda não vai saber o que quer dizer "redundância" e muitos nunca vão seguir este conselho.Neste mesmo exemplo acima também misturei teoria e dois exemplos práticos. Teoria é que informação para ser transmitida precisa de alguma redundância, o posto de gasolina foi um exemplo. Não sei porque tanto intelectual teórico não consegue dar a nós, pobres mortais, um único exemplo do que ele está expondo. Eu
me recuso a ler intelectual que só fica na teoria, suspeito sempre que ele vive numa redoma de vidro. 6. Se você quer convencer alguém de alguma coisa, o melhor é deixá-lo chegar à conclusão sozinho, em vez de você impor a sua. Se ele chegar à mesma conclusão, você terá um aliado. Se você apresentar a sua conclusão, terá um desconfiado.Então, o segredo é colocar os dados, formular a pergunta que o leitor deve responder, dar alguns argumentos importantes, e parar por aí. Se o leitor for esperto, ele fará o passo seguinte, chegará à terrível conclusão por si só, e se sentirá um gênio. Se você fizer todo o trabalho sozinho, o gênio será você, mas você não mudará o mundo, e perderá os aliados que quer ter.Num artigo sobre erros graves de um famoso Ministro, fiquei na dúvida se deveria sugerir que ele fosse preso e nos pagar pelo prejuízo de 20 bilhões que causou, uma acusação que poderia até gerar um processo na justiça por difamação. Por isto, deixei a última frase de fora. Mostrei o artigo a um amigo economista antes de publicá-lo, e qual não foi a minha surpresa quando ele disse indignado: "um ministro desses deveria ser preso". A última frase nem foi necessária.Portanto, não menospreze o seu leitor. Você não estará escrevendo para perfeitos idiotas e seus leitores vão achar seus artigos estimulantes. Vão achar que você os fez pensar.7. O sétimo truque não é meu, aprendi num curso de redação. O professor exigia que escrevêssemos um texto de quatro páginas. Feita a tarefa, pedia que tudo fosse reescrito em duas páginas sem perder conteúdo. Parecia impossível, mas normalmente conseguíamos. Têm frases mais curtas, têm formas mais econômicas, tem muita lingüiça para retirar.Em dois meses aprendemos a ser mais concisos, diretos, e achar soluções mais curtas. Depois, éramos obrigados a reescrever tudo aquilo novamente em uma única página, agora sim perdendo parte do conteúdo. Protesto geral, toda frase era preciosa, não dava para tirar absolutamente nada. Mas isto nos obrigava a determinar o que de fato era essencial ao argumento, e o que não era.Graças a esse treino, a maioria das pessoas me acha extremamente inteligente, o que lamentavelmente não sou, fui um aluno médio a vida inteira. O que o pessoal se impressiona é com a quantidade de informação relevante que consigo colocar numa única página de artigo, e isto minha gente não é inteligência, é treino. Portanto, mãos à obra. Boa sorte e mudem o mundo com suas pesquisas e observações fundamentadas, não com seus preconceitos.

http://www.kanitz.com.br/impublicaveis/como_escrever_um_artigo.asp

segunda-feira, 5 de março de 2012

O segredo das orelhas de livros, Yuri Al’Hanati


Indicação de amigos, crítica literária, resenha de jornal. São muitas as referências que in­­fluenciam o leitor a se decidir na hora de comprar um livro. Ainda assim, poucos se aventuram a iniciar a leitura sem conferir um elemento-chave da pu­­blicação: a orelha do livro. Um pedaço da capa dobrado para dentro que possui o privilégio de ser mais lido que próprio livro e o poder de interessar leitores ou encalhar edições inteiras.

Vista hoje como parte integrante quase indispensável do apelo comercial da obra, a orelha tem um estilo livre e híbrido: não é apenas uma sinopse como também não é resenha crítica. “A orelha precisa convidar o leitor a querer ler o livro, seduzi-lo”, conta o escritor Flávio Izhaki, responsável por muitas orelhas publicadas pela editora Record.

Izakhi conta que existem dois tipos de orelhas: as anônimas e as assinadas. O critério fica por conta do próprio autor do livro, que pode convidar um escritor para fazer a apresentação de sua obra em uma orelha assinada ou delegar o trabalho a funcionários da editora, que mantém profissionais especializados no assunto, e nesse caso a orelha dificilmente conterá uma assinatura. Essa diferença não passa despercebida pelos leitores.

O estudante Marcello Zaithammer afirma que uma orelha assinada chama mais a sua atenção. “Gosto quando um livro tem na sua orelha um elogio de outro autor que eu gosto. Embora válido, não acho que seja legal um elogio do editor”, comenta. O escritor Miguel Sanches Neto, que frequentemente é convidado para escrever orelhas assinadas, também comenta esta distinção: “Na orelha assinada nós doamos os nossos leitores, nós somamos o nosso nome ao do autor. É um ato de entrega total, como se disséssemos: esse autor faz parte da minha família, do meu círculo de referências”, diz o escritor, e completa que a orelha não-assinada é mais fria e técnica por se tratar de um relacionamento entre textos, e não entre autores.

Os critérios para convencer o leitor a ler o livro pela orelha são os mais diversos. Por isso, para Miguel Sanches Neto o texto de apresentação, embora promocional, não deve ser encarado como algo de caráter mercadológico para sua composição. “Uma orelha é sempre um texto de admiração, não é um espaço crítico para mim. Trata-se, sobretudo, de um texto que se manifesta no campo do discurso amoroso, e exige um olhar terno”, explica. Para ele, a orelha do livro deve funcionar como uma indicação de alguém que conhece intimamente a obra.

O publicitário carioca Luiz Augusto Ramos compartilha dessa visão. Para ele, independente da existência de assinatura, o conteúdo da orelha deve complementar as indicações que recebe por outros meios: “Leio a orelha como mais um amigo me indicando um livro, mas que escreve de um jeito que me deixe intrigado o suficiente para desejar lê-lo”.

Flávio Izhaki defende a ideia de apresentação da obra que a orelha passa. Para ele, é importante falar do conteúdo, das questões propostas pela obra e o estilo do autor, e o que mais for relevante para familiarizar o leitor. “Quem compra um livro após ler a orelha acredita que o que foi introduzido ali será desenvolvido ao longo do livro”. Izhaki, que produziu, entre outras, a orelha da premiada obra O Filho Eterno, do escritor Cristovão Tezza (colaborador da Gazeta do Povo), usa o exemplo para ilustrar a tarefa desafiadora de fazer tal apresentação. “O livro tem um tom autobiográfico, mas não se assume como tal, então a orelha tinha de transparecer a mesma coisa”, conta, e acrescenta que quando uma orelha não é assinada, deve-se ter o cuidado de apresentar a obra em um estilo que não se diferencia muito daquele do autor. “Es­­crever orelha não pode ser sobre quem está escrevendo, mas sempre sobre o livro e para o leitor. Quem escreve orelhas não pode perder isso de vista”, adverte o escritor.

Publicado em 20/08/2009 Yuri Al’Hanati, especial para a Gazeta do Povo
http://www.gazetadopovo.com.br/cadernog/conteudo.phtml?id=916402